MVRO- Cabeçalho - 22-07-2021 -1020.jpg

 

Ocupação do Acre por seringueiros brasileiros

 

A busca pela borracha gerou novos conflitos fronteiriços, pois levas de retirantes nordestinos brasileiros, fugindo da seca, se instalaram ao longo dos rios Purus e Acre, ocasionando o povoamento da região e construção de benfeitorias.

Em 1895 foi nomeada uma comissão demarcatória encarregada de definir os limites entre Brasil e Bolívia, de acordo com o estabelecido no Tratado de Ayacucho, de 1867.

No ano de 1898 ocorreu a confirmação, pela Comissão Demarcadora de Limites, de que a região do Aquiri ou Acre, ocupada por seringueiros brasileiros, pertenciam à Bolívia.

Na tentativa de resgatar sua soberania, o governo boliviano instala um posto alfandegário na região, o que desencadeou uma série de conflitos entre o governo boliviano e os seringueiros brasileiros. O governo brasileiro reconheceu o direito de posse da Bolívia.

Porém, com o apoio dos governos dos estados do Pará e Amazonas e financiado por seringalistas brasileiros, o gaúcho Plácido de Castro lidera uma rebelião em agosto de 1902, que ficou conhecida como Revolta do Acre. Como entre o Brasil e a Bolívia já imperava o Tratado de Amizade, Limites, Navegação, Comércio e Extradição, tornou-se mais fácil realizar um acordo entre os dois países.

 

 

Tratado de Petrópolis

 

No dia 17 de novembro de 1903 o Brasil e a Bolívia assinam o Tratado de Petrópolis. Por esse tratado, a área do atual Estado do Acre, que pertencia à Bolívia, foi anexada ao território brasileiro mediante o pagamento de dois milhões de libras esterlinas e a construção de uma ferrovia margeando os rios Madeira e Mamoré, no trecho encachoeirado, enquanto a área entre os rios Madeira, Abunã e a linha geodésica Cunha Gomes, que pertencia ao Brasil, foi anexada ao território boliviano.

 

Dezenas de artigos em textos estão disponíveis para acesso, em breve serão publicados em vídeos.

Museu Virtual de Rondônia, Instituto MVR, valoriza a região denominada Rondônia e as cidades rondonienses.